O aumento do consumo de combustível

O aumento do consumo de combustível

Consumo de Combustível nos Últimos Anos

A desaceleração do crescimento da economia brasileira, afeta o consumo de combustíveis no Brasil, conforme dados apurados até Junho deste ano, e divulgados pela Agência Internacional de Energia (AIE). 

O Brasil no mês de Março/13, conforme registros, teve uma queda de 0,4% na quantidade de barris de petróleo consumidos, comparado ao mês de Março de 2012, e essa é a 1ª vez que é registrado a queda do percentual em 4 anos.

Esses dados foram divulgados em Londres, no mês de Junho deste ano, e a queda de 0,4% representa, uma diferença de 12 mil barris de derivados de petróleo a menos do que registrado em Março de 2012, sendo que o esperado, era um aumento de até 90 mil barris por dia, gerando assim, certo desconforto. 

consumo de combustível

Essa queda preocupa economias globais como as recém-surgidas, principalmente no que se refere ao impacto das mudanças econômicas na China, em economia exportadora de commodities como o Brasil, e que teve crescimento nos últimos anos, graças as importações chinesas.

Segundo a AIE, estava sendo esperado para 2013 que o consumo brasileiro de derivados de petróleo, fosse de 3,3% ou mais, em relação a 2012, em vez disso, o índice não passará de 3,2%, enquanto que em 2012, o consumo de petróleo superou 2011 em 4,2%. 

Segundo a ANP, atualmente o valor médio do preço da gasolina, é de R$ 6,32. O preço médio do etanol ficou em R$ 4,81. Podendo variar entre as regiões do Brasil.

Produção de Combustível

A agência ainda informa, que a produção de petróleo sofreu queda nos 4 primeiros meses do ano, com a produção de 2,07 milhões/dia registradas somente no 1º trimestre, mas, espera-se que um aumento de 2,35 milhões/dia, no 2º semestre, principalmente entre os meses de Outubro a Dezembro de 2013.

Conforme informações divulgadas ainda pela AIE, a queda foi de 200 mil barris/dia somente nos primeiros 3 meses, em relação ao mesmo período de 2012, enquanto no mês de Abril, a produção registrada teve uma queda de 100 mil/dia de barris de petróleo, em relação a Abril de 2012.  

produção de combustível

A Agência Internacional de Energia acredita que a queda da produção de derivados de petróleo registrada, teve como principal influência, a manutenção que algumas plataformas estão sofrendo, mesmo tendo sido planejadas, como é o caso da Plataforma P-54 da Petrobras, a qual acabou afetando inclusive, o desempenho da estatal. 

Os campos de Peregrino, Ostra e Argonauta, todos pertencentes ao grupo Shell, tiveram suas produções reduzidas também.

A Agência esclarece ainda, que assim que houver término das manutenções, a tendência na produção de petróleo, será somente crescer até Dezembro de 2013, estima-se ainda, que a produção chegará a 2,4 milhões/dia de barris de petróleo, principalmente após ser concluído a manutenção no Poço Cidade de Paraty, que fica no campo de Lula, e da P-55, já no campo de Roncador.

Nota de Rodapé

Nota de rodapé

Nota Imagens meramente ilustrativas. Os direitos autorais de todo o material apresentado neste site são propriedade da marca 2e4 Rodas Equipamentos Automotivos ou do criador original do material, estas imagens foram coletadas de diversas fontes públicas, incluindo sites diferentes, considerando a possibilidade de estar em domínio público. Se alguém tiver qualquer objecção à exibição de qualquer imagem ou notícias, deve trazer ao nosso conhecimento através do e-mail (contato). O mesmo será removido imediatamente, após verificação do crédito. Todas as Marcas e nomes pertencem aos seus proprietários. Outros nomes e marcas podem ser de propriedade de outras empresas. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas nos nossos sites que tem por objetivo a divulgação de informação, diversão e educação dos interessados. Medidas tomadas pelos usuários são de sua inteira responsabilidade. Reiteramos que orientamos sempre a consultar e seguir as instruções presentes no manual do proprietário do seu PRODUTO. Nota Completa no RODAPÉ. Atenção! Importante a leitura da Nota de Esclarecimento presente ao final da página. phone-icon0800 642 2327 phone-iconFIXO (47) 3522-3274 whatsapp-logo-icone(47) 99978-1266 whatsapp-logo-icone(47) 98872-0320(PEÇAS

Palavras Chave

consumo de combustível,
produção de combustível,
aumento no preço dos combustível,
gasolina,
anp,

-#consumodecombustível
-#produçãodecombustível
-#aumentonopreçodoscombustível
-#gasolina
-#anp

Quais são os avanços no desempenho do etanol

Quais são os avanços no desempenho do etanol

Pesquisa do Instituto Mauá de Tecnologia revela avanços no desempenho do etanol

O rendimento dos carros abastecidos com etanol pode ser melhor do que se imaginava. Isso é o que revela o estudo Análise Estatística de Desempenho e Performance de Combustíveis. Desenvolvido pelo Instituto Mauá de Tecnologia, com apoio da UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar). Durante os meses de janeiro a julho deste ano, o Instituto acompanhou a relação média de performance entre o etanol e a gasolina em veículos de diferentes categorias.

O professor Renato Romio, Chefe da Divisão de Motores e Veículos do Instituto Mauá de Tecnologia, declarou qual é o objetivo do estudo. O objetivo é mostrar a autonomia apresentada pelos veículos no trânsito apresenta diferença no valor mencionado na etiquetagem veicular. Todos os experimentos realizados com base em testes de laboratório. Professor Romio esclarece que este fato também acontece em outros países. Essas verificações realizadas em laboratórios, não reproduzem as condições fidedignamente de operação cotidiana.

Os modelos de veículos utilizados na pesquisa foram definidos de acordo com sua popularidade nos segmentos. São eles: Popular 1.0, Sedan Médio, SUV e Popular 1.6. Os carros circularam repetidamente em percursos urbano de 27 km e rodoviário de 30 km. Cada um desses circuitos foi repetido 15 vezes. Os trajetos foram definidos seguindo padrão de testes e análises do Instituto Mauá de Tecnologia em vias públicas.

Realizado a análise estatística, o desempenho médio do etanol em relação à gasolina comum, variou entre 70,7% e 75,4%. Como referência, os valores encontrados para os mesmos modelos de veículos no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV) foram, respectivamente, 66,7% e 72,1%.

“Vale lembrar que o PBEV utiliza como padrão, a gasolina com 22% de etanol anidro. Este é um ponto que reforça a diferença que influencia na autonomia dos veículos em vias públicas”, destaca Romio.

A relação que se conhece hoje, de 70%, leva em conta o poder calorífico do etanol em relação à gasolina. Mas, segundo o Instituto Mauá de Tecnologia, outras características do funcionamento dos motores devem ser levadas em conta. Uma é o fato do motor ser mais exigido em alguns percursos, que no circuito utilizado nos testes de laboratório.

“A maioria dos motoristas faz a conta considerando o preço somente na hora do abastecimento, quando na verdade, também deveria avaliar a autonomia do veículo com os dois tipos de combustíveis. Esta relação pode ser diferente de 70%; em nosso estudo, por exemplo, tivemos casos em que a relação de paridade entre etanol e gasolina comercial chegou a 75,4%; uma diferença considerável”. Este valor tende a variar de acordo com a evolução técnica dos motores flex, percurso do veículo, a forma de dirigir e também, em função do teor de etanol na gasolina, que é pré-estabelecido pelo governo. É importante que o motorista conheça a conta do seu carro, no seu caminho diário. Queremos provocar o consumidor a considerar esses aspectos e fazer sua conta para poder tirar o maior benefício econômico possível”, destaca Romio.

Para controlar as diferenças entre os perfis de condução de cada motorista, foram adotados alguns procedimentos para permitir que os veículos fossem testados em condições similares. Antes do início do ensaio de cada modelo, foram realizadas verificações e substituições, como, recirculação e descarga de combustível (flushing), instalação do medidor do consumo de combustível, balanceamento das rodas e calibração dos pneus, substituições de filtro de combustível, óleo lubrificante e troca de filtro de ar do motor, entre outras. Os veículos também rodaram preliminarmente com o mesmo combustível para verificar, desta forma, as condições de igualdade do teste.

Fonte: www.segs.com.br acessado em 11/10/2017. Publicado em 11/10/2017 ” Pesquisa do Instituto Mauá de Tecnologia revela avanços no desempenho do etanol “

Como gasolina vencida pode danificar a sua moto?

Como gasolina vencida pode danificar a sua moto?

Quando a moto, permanece sem rodar há 6 meses mesmo estando com tanque cheio e, ao sair começa a falhar, pode ser devido a problemas a  gasolina vencida!

E isto, acontece inclusive quando a moto estava sendo ligada pelo menos 3 vezes por semana, e embora a bateria pode não ter arriado, o problema pode estar na gasolina que ficou velha!

E quem já ouviu falar que gasolina tem prazo de validade?

Pelo menos no Brasil, nunca houve comentários, nem matérias abrangendo o assunto, mesmo assim, técnicos no assunto afirmam que após 6 meses o combustível perde a qualidade, exceto quando está num local próprio para armazenar o produto, e infelizmente, não é dentro do tanque de uma moto!

Em vista disso, o máximo que pode considerar que a gasolina não está com a qualidade alterada, é durante os próximos 3 meses, depois de abastecida!

E quais os sintomas da moto com gasolina vencida

  • Demora a dar partida, ou, nem pega;
  • Ao andar, falha durante o percurso o tempo inteiro;
  • Não responde prontamente nas arrancadas, engasga e dá soquinhos.

As motos que tem carburador e estão com a gasolina vencida, será necessário desmontar e limpar o sistema, pois, a gasolina velha vai se deteriorando formando depósitos, é como um grude que fica retido nas pequenas passagens dos giclês, essa moto, dificilmente dará a partida.

Já as motos que tem sistemas de injeção eletrônica, também são afetadas com a gasolina vencida, mesmo assim, conseguem dar partida, mas, falham o tempo todo, a solução nesse caso é mais simples, basta retirar toda a gasolina velha do tanque, e reabastecer com aditivada.

É bom lembrar que a gasolina velha retirada do tanque deve ser armazenada em tambores próprios que existem nos postos de combustíveis, jamais devem ser despejada no esgoto, pois, embora vencida continua inflamável, e ainda, prejudica o meio ambiente.

Já para as motos com carburadores que necessitam de limpeza, é aconselhável que seja levada a uma Centro Automotivo para que o serviço seja feito por um profissional, para não ter mais dor de cabeça!

Como evitar que a moto, fique com gasolina vencida

  • Sabendo que a moto ficará parada mais de 15 dias, encha o tanque até a boca. Dessa maneira entra menos ar houver no reservatório, e também evapora menos combustível, evitando a oxidação e o grude nos giclês;
  • Sempre que abastecer prefira gasolina aditivada, pois, tem aditivos antioxidantes que previnem o envelhecimento do combustível;
  • Quando a moto ficar mais de 2 meses parada, o melhor é nem tentar a partida. Providencie de imediato a retirada da gasolina do tanque e abasteça em seguida com aditivada;
  • A moto que tem a torneira de combustível, antes de parar a moto por um prazo indeterminado, o ideal é colocar na posição fechada e deixar o motor funcionar até apagar, dessa maneira vai secar o carburador.

Dica de Ouro: se a moto vai ficar parada por um longo tempo, prefira estacionar em locais longe do sol e da chuva, sempre coberta com capa própria, e evite estacionamentos de terra, senão o pó acumulado durante a estadia também pode trazer problemas!

E vale repetir esse último tópico:

  •  A moto que tem a torneira de combustível, antes de parar a moto por um prazo indeterminado, o ideal é colocar na posição fechada e deixar o motor funcionar até apagar, dessa maneira vai secar o carburador.